O eterno cheirinho do candeeiro a petróleo

img018 - CópiaHavia dois tipos de candeeiros em nossa casa. Um de folha pequenino e sem chaminé que circulava mais pela cozinha e, com cuidado, podia até andar pela rua. Era o campeão do fumo inalado por todos, quando, inadvertidamente, alguém se descuidava e a chama, por efeito do vento, circulava bem pertinho do nariz.

Os mais “luxosos” eram de vidro e, diariamente, subiam e desciam a escada acompanhando quem já estava preparado para dormir. Tinham chaminé de vidro que, volta não volta, desparecia feito em pedaços quando as mãos menos hábeis os lavavam.

De manhã cedo, com o ar fresco da manhã, aquele cheirinho a petróleo entrava pelo nariz dentro de tal maneira que ficou para sempre…

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Família. ligação permanente.

2 respostas a O eterno cheirinho do candeeiro a petróleo

  1. maria celina garces diz:

    Andam a aparecer umas reliquas de fotos!

  2. fez lembrar o paõ liso( esse acertou) a rrefecer para guardar antes que os pequenos se levantassem e a garrafa do licor no cantinho do armário devia ser próximo ao Natal .

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s