Lombada, 2 Dezembro 2012

img_0017Domingo, dia santo. A mãe dormiu, passeou com Teresa e confessou até que estava bem, sem dores.

Fizeram-se já os primeiros ensaios técnicos para as nossas luzes de Natal e está aberto um aceso debate para saber quantas horas devem permanecer acesas. A proposta inicial aponta para três horas diárias.

Avelino, como a mãe não estava a ver, foi cavar os primeiros regos de batatas doces e guardá-las para evitar que apodreçam com a chuva que não pára de cair.

À tarde apareceu Ilda que regressou à sua casa. Teresa fez a sopa, para consolo de Avelino e descanso dos outros residentes.

À noite a mãe, já na cama lembrou-se da sopa e perguntou pelas meninas que já tinham partido para o Funchal. “Elas que levem sopa para não ficar aqui a comer dois dias”. Passados momentos a mãe voltou a lembrar-se da sopa e, como hoje é domingo: “Deixem um pratinho para o pai porque ele, certamente, ainda não ceou!” 

Esta entrada foi publicada em Família. ligação permanente.

2 respostas a Lombada, 2 Dezembro 2012

  1. Marta diz:

    3h/dia? das 17 às20h? durante o resto da noite caem estrelinhas, é? ou flocos de neve?
    Manuel, põe umas luzinhas às cores intervaladas.
    obg, bj.

  2. Lita diz:

    Olá manos,
    Grandes orbas!!! como dizia o Gui…
    Gosto desta decoração de Natal que começa pelo telhado e enche de luz a nossa casa.
    Mais o calorzinho da salamandra, tudo se encaminha para um bom Natal e para a recuperação da Mãe.
    Obrigados manos, bjs.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s