ELOGIO A CELINA

Foi o tempo que dedicaste à tua rosa que fez tua rosa tão importante.”
Saint Exupery
.

CELINA ouve religiosamente e faz!

Amigos e Familiares,

Todos sabemos que a mãe agora precisa de cuidados extra e todos já experienciamos esta nova fase, cada qual à sua maneira: Manuel sorrindo, Teresa resolvendo e revolvendo, Fátima explicando, Lita se preocupando, Lili ouvindo, eu debandando.

Tradição obriga...

Ela empenha-se a 200% junto da mãe. Anseia pela sua felicidade permanentemente. Acata todas as “ordens” e “comandos”, desespera silenciosamente pela quantidade, simultaneidade e multiplicidade deles e, simplesmente, soma e segue! Prepara a mãe para a festa de Natal do Centro de Dia e vai com ela às festas de Natal, vai ao Café das Pingas 50 vezes porque a mãe não se lembra que esteve lá ontem, limpa a casa de banho depois de dar banho a Avelino e depois de dar banho à mãe e que 2 minutos depois a mãe já “decorou” à sua maneira.

Amassa e cala!

Amassa o pão que a mãe “faz o favor” de começar a amassar às 7h, fica atenta ao desenrolar da feitura do almoço que, hoje, é uma verdadeira odisseia, já que pode incluir: sal a dobrar, afogamento em azeite, água e vinagre, um misto de peixe, ovo e carne e, com sorte, ainda partilha tal repasto com visitas que não poderão fazer jus à cozinha de Celina – oh! mundo injusto!!!

Não é 1, nem 2; é 3 em 1

E, por fim, já noite cerrada, vai apanhar as folhas para o chá que não teve tempo de colher durante o dia.

Mas o que embevece mesmo é ver Celina cuidar de Avelino. É ver e ouvi-los cantar ambos às 7h, um para acordar outra para aligeirar a tarefa, com vozinhas calmas, lentas e sonolentas. Mas não pensem que é só dá cá, não senhor!

O tal café!

Porque Celina regateia tudo o que lhe faz, tipo: Avelino, a irmã deu-te banho, agora fazes o café à irmã. Ele ri-se e levanta-se e vai buscar uma chávena e depois o café e depois o açúcar e depois liga a chaleira e meia-hora depois Celina toma o café feito por Avelino. Ufa! Não é qualquer um que se pode gabar desta proeza.

O carinho que Celina põe no cuidado da mãe e de Avelino estende-se ainda à agricultura local, chamando a atenção da mãe para pormenores de cultivo, relembrando os seus conhecimentos de agronomia e tentando explicar porque é que a cenoura não vingou, a papaieira melou ou o cebolinho se encheu de erva que Marta e Celina tiveram que arrancar uma a uma para que a Família no Verão o possa degustar.

E por fim as passeatas “de trazer por casa” que tanto entusiasmam a mãe e a filha a tudo diz sim (?!): às lojas, para comprar uma saia cinzenta, aos médicos, aos centros de saúde e farmácias, à casa de Teresa, aos palheiros do chão da ribeira, etc…

às festas das redondezas;

Aos presépios;

Olhando o presépio de Santana: 3 vidas, 3 olhares, 3 momentos, 3 pensamentos, 3 mundos diferentes e tão iguais.

O que será que o pirralho ainda tem a recriminar à mãe???

O que será que a mãe me quer desta vez?

 

Olhinho do pai, boquinha da mãe

A carteira da casa – leva tudo: os pertences da dona, porta moedas da mãe, lenços e cuequinhas.

_________________________________

Uma palavra final de agradecimento sincero ao marido de Celina, o Vitor que tanto trabalhou e as imagens não mentem.

Tá mesmo bom                  Boa vida! Compadre.   Claro! Deu nisto.
______________________________________________
Errata:
As imagens não mentem, mas omitem. Sim! Porque o Vítor, de facto, trabalhou: fez os novos cartões de cidadão da mãe e de Avelino e tirou 4 cópias de cada (!!!); fez uma nova lista telefónica; organizou os papeis 1, 2, 3, 4, …. 10 vezes, que alguém se encarregou de re-organizar, encontrou a minha decoração da árvore de natal (fotos da família) que já andou a passear por outras paragens, registou toda a quadra e apanhou com os humores da mãe sempre com fair play, o que é digno de registo e, por isso, merece que lhe cantemos os parabéns a você já no próximo fim-de-semana.
.
Nota:
Para os mais distraídos informo que faço 50 anos, no dia 4 de Março. Podemos festejar no Porto ou no Funchal. Eu prefiro no Funchal com a mãe, mas aceito os três:
  1. os 50
  2. no Funchal
  3. ou no Porto

Só têm que dar a vossa opinião; eu somo e decido.

Fiquem bem e tenham um bom ano.

Marta Garcês

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Família. ligação permanente.

2 respostas a ELOGIO A CELINA

  1. lizete diz:

    Estou extremamente emocionada e orgolhosa com todo este texto criado por ti.

    Mereces um enorme elogio.

    Continua.

    lizete

  2. Ana diz:

    Mana Marta, adorei a subtileza da narrativa!!!!!!!
    Obrigada às manas e mano que têm apoiado a Mãe. Parabéns ao Victor pelo apoio e registo notável.
    bj

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s