MEMÓRIAS DO PAI

No palheiro da Ribeira ainda se sente a memória e os trabalhos do pai. No fundo do palheiro, agora protegido pelas silvas, ainda há restos da última erva que o pai cortou e guardou para o Inverno.

Mais estranha ainda é a sensação que se sente ao recordar os dias ali passados a mondar a erva, cavar, plantar a terra, regar e acarretar tudo às costas. Era ali que se plantavam as últimas semilhas, parte para semente do ano seguinte.

Sensação estranha, por vezes agradável, era essa semana em que toda a nossa casa seguia para a Ribeira. Lá o sereno desaparecia mais tarde, ouviam-se as enxadas a bater na terra, o ruído da água, o sol a desaparecer mais cedo e os homens tinham sempre o garrafão um pouco à frente das enxadas.

O pai contava os almoços que passavam no caminho a espalhar cheiro a comida acabada de cozer e sabia sempre que era o primeiro. Quando a mãe chegava com a bandeja de vimes da nossa comida, trazia sempre um relatório das dificuldades para ser a última (segundo o pai). Era quase sempre a lenha verde, os pequenos para arranjar e a casa para destinar.

Às vezes, na bandeja, vinha também, no meio das semilhas quentes, uma tacinha com carne de porco bem cozida para a banha derreter até passar a molho. Aquilo sabia tão bem depois de uma manhã a cavar…

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Família, Family com as etiquetas , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s